segunda-feira, 31 de outubro de 2011

Primeiro


O que eu esperava do meu primeiro
amor
era que fosse enorme
imenso
perfeito
profundo

O que eu esperava do meu primeiro
amor
era que movesse montanhas
e fizesse brotar flores
nos mais insuspeitos caminhos

O que eu esperava do meu primeiro
amor
era que me esticasse a alma
da terra à lua and back

Porra!
O que eu esperava do meu primeiro
amor
era que fosse o último.

2 comentários:

Rodrigo Ferrão disse...

Concordo com tudo. Este poema é formidável. Obrigado por partilhares este teu dom.

Um beijo (meu amor)

Anónimo disse...

Se dom lhe podemos chamar, meu querido, é porque existem pessoas como tu na minha vida, que avistam dentro de mim os campos de papoilas que mal diviso e que, no entanto, pululam nos meus dias.
É das formas de amor mais bonitas que conheço e honra-me vivê-la contigo.
Um amor (meu beijo)
aa