sexta-feira, 8 de abril de 2011

O tempo parou um instante

O passado cruzou-se comigo e fez questão de dizer olá. Num rosto envelhecido, após alguns segundos de total estranheza, reconheci alguém que, talvez sem o saber, pior, talvez sem qualquer real culpa, marcou pela negativa um momento doloroso da minha história.

E a disponibilidade inata para dizer 'então pá, como estás, há tanto tempo' afogou-se num mau estar psicológico e físico que me secou a garganta e o sorriso no rosto, me impeliu a esticar a mão num cumprimento mais que formal e a que apenas me senti obrigada pela educação. Um mau estar total que me faz agora, sentada na privacidade do carro, verter lágrimas compulsivas de que há muito não sabia o paradeiro.

Moral da história? Não há. Apenas o registo para a posteridade virtual desta emoção avassaladora que me gelou alma, corpo e tudo. Não a conhecia. E se a adivinhava possível não a tinha por tão poderosa. Não a desejo ao meu pior inimigo.

1 comentário:

M. João disse...

Pois... às vezes acontece. Beijão