sábado, 23 de junho de 2012

No abraço do poema

Abraça-me.
Eu sei que é banal.
Mas dentre o banal é o mais espectacular dos momentos
em que dois corpos se tocam
em que duas galáxias se roçam
no amplexo da ternura

Já nem falo da saudade.
Falo apenas do abraço sentido
apertado
de quem se quer
bem
muito
tanto
sempre
Deixemos o desejo
para depois, quando os corpos acordarem

e escreveremos o livro
com que ambos sonhamos 


* poema escrito sobre este quadro do pintor italiano Lorenzo Matttotti e publicado primeiro na rubrica a-ver-livros do blog Clube de Leitores

3 comentários:

George Sand disse...

Uma maravilha Ana!

Isabel disse...

Muito bonito, o texto e a imagem.
Boa noite.

ana almeida disse...

Muito obrigada a ambas.
bjinhos