terça-feira, 4 de setembro de 2012

Peço escusa

 
Peço escusa, sr. dr. juiz,
Peço escusa à dor
que a conheço de outros carnavais 
Peço escusa ao abismo negro
das lágrimas
Ao portão imenso
que delimita a minha loucura
 
Peço escusa
encarecidamente
sr dr juiz 
à negritude de alma
que sei como tolda a vida
 
Peço escusa ao sofrimento
auto infligido
Prefiro a infinita ingenuidade
de achar que todos os dias
são recomeços
e todos os dias posso fingir que sou feliz 
E todos os dias posso dar
chapadas de luva branca aos que choram
e se lamentam
e se arrastam
Como me arrasto por dentro
quando me permito
ser apenas eu
 
Peço escusa sr. dr. juiz
às chaves da minha angústia
Prefiro os muros altos que criei
e a solidão que significam
à compaixão que abomino
 

1 comentário:

Dulce Morais disse...

As desculpas têm aquele sentimento de solidão a pairar entre cada linha. Como é bela e triste, essa sensação!